levitra

| ESPOCC 2014 >> Sem categoria

CALDEIRÃO ESTÉTICO PULSANTE

Por: Rodrigo Bodão (rodrigo@observatoriodefavelas.org.br)

 

Poetas, músicos, compositores, cantores, grafiteiros, pintores, escultores, artesãos, dançarinos, MC’s, DJ’s, atores, atrizes, escritores, fotógrafos, cineastas. Salta aos olhos, logo de cara, ao longo da história da ESPOCC a sua vocação para reunião de artistas das mais variadas formas de expressão e linguagens. Um verdadeiro caldeirão estético que ao longo dos anos e das turmas que vão se formando cada vez mais reverberam suas expressões artísticas, visões de mundo e produções culturais pelo mundo afora.

Esse ano não podia ser diferente. Durante nossa aula inaugural, evento que marcou a abertura dos trabalhos de 2014, apesar de uma aparente timidez inicial, vontade de conhecer melhor onde se está chegando, certa, digamos, prudência malandra, pouco a pouco a turma de novos alunos já foi mostrando a que veio, mandando seu recado na roda de poesia, deixando seu traço de spray no painel grafitado.

A festa, esse encontro mágico de corpos, olhares, sorrisos, estéticas, histórias e desejos, foi um sucesso – o que, convenhamos, é quase uma redundância em se tratando de Observatório de Favelas. E como diz o mestre Martinho da Vila: é devagar, devagar, devagarinho que a gente chega lá.

Pelo conjunto heterogêneo de integrantes das novas turmas, pela presença constante de alunos e alunas de turmas anteriores, e pela própria composição do corpo docente e da equipe técnica da ESPOCC, 2014 promete e muito nesse sentido.

A produção de saraus e eventos é uma possibilidade de reunir, envolver e dar espaço para que todos apresentem seus trabalhos. Nesse sentido, um SARAU DA ESPOCC seria bem interessante, viu! E momentos festivos é que não vão faltar, isso é certo. Bora fazer?!

Talvez aqui, tal como nos estádios de futebol, seja onde melhor caiba a metáfora do caldeirão. Um caldeirão estético pulsante, da Maré para o mundo, propagando seus efeitos de expressão artística livre, aberta e democrática até o caroço!

Bora botar esse caldeirão pra ferver!

espoc recita