levitra

| Blogspocc >> Eventos

Chegou a hora de desestabilizar a grande mídia

 

 

Thamyra Thâmara

 

Avante!

 

A tarde dessa terça-feira no Preliminares foi dedicada para uma roda de debates sobre novas plataformas de comunicação e perspectivas para o futuro, no estúdio SP na rua Augusta. Plataformas e iniciativas como Fórum de Mídia Livre, Pós TV Overmundo, Agência Solano Trindade, povos kaiowá, entre outros, estiveram presentes discutindo processos de dispersão dentro da comunicação e das tecnologias de rede.
Vivemos um novo momento dentro da comunicação em que o midialivrismo aparece como alternativa ao jornalismo comercial. Um momento cada vez mais forte de empoderamento do indivíduo, que perde cada vez mais seu papel de telespectador passivo e ganha a força de multiplicador e produtor de discursos dentro no cenário social e político.

 
Durante muito tempo, a custo de muita luta, a comunicação comunitária de periferia veio abrindo caminho, como pioneira, na disputa de um novo imaginário sobre os territórios populares, buscando a consolidação de uma representação capaz de abranger a complexidade e força do território sem os estigmas historicamente atribuído a ele.

 
A contemporaneidade abriu as portas para a cultura de redes e de apropriação do espaço público virtual, o que tem possibilitado, não apenas a potencialização desses discursos, como também a dispersão e viralização do mesmo.
Nesse momento, o campo da disputa não consiste simplesmente em criar uma narrativa alternativa, consiste principalmente na possibilidade de quebrar e desestabilizar a narrativa hegemônica. Diante disso, a comunicação é crucial para a mudança dos circuitos cultural, político e social, pré estabelecidos, através da provocação contínua pela reação da sociedade civil .
Não estamos mais na dicotomia do discurso que ora emociona, ora aprofunda, em nossas mãos temos variedades de cartas capazes de emocionar e aprofundar, dentro do mesmo raio de atuação. E para além disso, mobilizar a sociedade civil para construção de um novo Mundo possível, que tem como ponto de partida fundamental “organizar para dispersar”.